Home»TEMPOS SOMBRIOS»COLUNA DO GILSON FILHO / RIBEIRÃO PRETO, MISÉRIA E FOME NA CALIFÓRNIA BRASILEIRA /

COLUNA DO GILSON FILHO / RIBEIRÃO PRETO, MISÉRIA E FOME NA CALIFÓRNIA BRASILEIRA /

3
Ações
Pinterest Google+

Em Ribeirão Preto, 34 mil pessoas estão sobrevivendo com renda diária de R$ 5,64. Este valor foi revelado durante o programa ‘Mentoria’, apresentado pelo empresário Chaim Zaher (TV THATHI) e confirmado ao vivo por Adriana Silva, do Instituto Paulista de Cidades Criativas e Identidades Culturais.

O que uma pessoas pode comprar com R$5,64? Um pastel de feira, talvez?

Essa renda diária soma aproximadamente miseráveis R$169,20 mensais.

Em março passado, o valor necessário para a manutenção de uma família de quatro pessoas deveria equivaler a R$ 4.277,04, ou 4,29 vezes o mínimo de R$ 998. Em fevereiro, o piso necessário correspondeu a R$ 4.052,65, ou 4,06 vezes o mínimo vigente.

Conforme matéria publicada no Jornal da USP em 02/01/2019 o Brasil tem 55 milhões de pessoas abaixo da linha da pobreza.

Esses números são de pesquisa da Síntese de Indicadores Sociais, do IBGE onde aparece que 54,8 milhões de brasileiros estão abaixo da linha da pobreza, ou seja, 1/4 da população nacional tem renda domiciliar por pessoa inferior a R$ 406 por mês, de acordo com os critérios adotados pelo Banco Mundial.

Os dados do IBGE confirmam que a pobreza está regionalmente localizada no País. No Nordeste, 44,8% dos 57 milhões de habitantes estão abaixo da linha de pobreza. Em conversa com o professor Reynaldo Fernandes, da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da USP, ele comentou, que mesmo nessa situação, o País ainda está melhor em relação aos dados vistos na última década, informa o Jornal da USP.

Fernandes também disse que programas como o Bolsa Família ajudaram a melhorar a situação dos brasileiros, mas que a solução concreta para mudar o panorama do Brasil é uma melhora no mercado de trabalho.

 

Nenhum setor contrata e desemprego sobe a 12,7% no 1º trimestre

País tem 13,4 milhões de desempregados. Só trabalhadores domésticos têm ganho de renda, com reajuste do mínimo

No primeiro trimestre deste ano, nenhum setor da economia brasileira contratou, de acordo com a pesquisa Pnad Contínua do IBGE . A falta de disposição do empresariado para abrir vagas elevou o número de desempregados para 13,4 milhões e fez a taxa de desemprego subir a 12,7%.

A renda do trabalhador também não apresentou melhora: o único grupo cuja renda teve alta nesse começo de ano foi o de trabalhadores domésticos, em razão do reajuste do salário mínimo, aplicado em janeiro.

Setor público faz maior corte de vagas

O maior corte de vagas foi na administração publica, com menos 332 mil vagas. Houve queda de emprego também na construção civil, com 288 mil postos fechados. O emprego ficou estável na agricultura, na indústria, no comércio, no transporte, no alojamento, na informação em outros serviços e no serviço doméstico.

 

Não matarás

O criminalista Everton Seguro apontou o artigo 23 do Código Penal, que abrange situações em que é viável a aplicação do excludente de ilicitude. “São os casos de necessidade e legítima defesa. Isso já está previsto na lei. Caso a pessoa que cometer o ataque esteja armada, já é permitida uma reação sem risco de punição.”…

Na avaliação de Seguro, abranger a questão para situações que não estejam enquadradas em casos de legítima defesa é atribuir mais valor a uma propriedade do que a uma vida humana. “Existem outros meios de se tratar as pessoas em invasões. É preciso acionar a polícia e cabe ao juiz acelerar o processo para tirar as pessoas de lá.“…

 

Ministro do Meio Ambiente foge de catadores de recicláveis em Curitiba

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, fugiu de coletores de lixo reciclável que protestavam na manhã de hoje (30), em Curitiba.

Até uma banda do Exército tocou para o ilustre ministro, que não compareceu ao evento previsto na tradicional Boca Maldita (centro da capital paranaense).

Segundo Mesael Caetano dos Santos, o Advogado dos Pobres, que tem escritório na região, cerca de 200 catadores de lixo reciclável começaram a vaiar o ministro antes mesmo da chegada dele.

Dentre os cartazes e faixas haviam os que pediam “Fora Ricardo Salles” e avisava em inglês “Salles, Brazil is not for sale” (“O Brasil não está à venda”).

Salles preferiu o conforto do ar condicionado na Votorantim, na periferia curitibana, cujo projeto “Programa Lixão Zero” consiste na empresa incinerar o lixo reciclável.

Empurrando com a barriga

E por falar em fome, o governador João Dória, de passagem pela Agrishow, anunciou que o ‘Bom Prato’,prometido para atender pacientes de todo o Brasil no Hospital das Clinicas, ficará para 2020. A segunda unidade em Ribeirão Preto foi promessa do então governador  Geraldo Alckmim e reafirmada por João Dória durante a campanha de 2018.

Entretanto, Dória garantiu agora a criação de um  Batalhão de Ações Especiais de Polícia (Baep), para outubro deste ano.

Ou seja, polícia já! Fome,sabe-se lá quando…

 

Com Jornal da USP /O Globo

   That’s all, folk …Gilson Filho é jornalista e editor deste Blog MTB 17114/67/15

Postagem anterior

Coluna do Gilson Filho / Discursos de Nogueira e Bolsonaro surpreendem Agrishow /

Próxima Postagem

Coluna do Gilson Filho / Arrogância e Humildade / Se eu quiser falar com Deus /

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *