Home»PENSAMENTO»Comunismo, a única maneira de evitar a guerra/ Michael Laitman Rav/ Blog do Gilson Filho

Comunismo, a única maneira de evitar a guerra/ Michael Laitman Rav/ Blog do Gilson Filho

2
Ações
Pinterest Google+

Comentário: nos Escritos da Última Geração, Baal HaSulam, escreve que existem três bases para disseminar a Cabalá, uma das quais é: “não há existência para o mundo sem ela, tanto mais nos dias do átomo e da bomba de hidrogênio”.

Resposta: Nós tentamos conquistar as forças mais poderosas da natureza, no entanto, elas existem fora do nosso alcance.

Nós tentamos fazer isso para mudar nosso destino, mas isso não efetiva nenhuma mudança, pois a mudança existe na própria fusão com a força superior, não no poder das bombas atômicas ou de hidrogênio. Portanto, espero que todos esses “brinquedos” não sejam utilizados.

Por um lado, a humanidade sempre paira à beira do equilíbrio. Por outro lado, há uma governança mais elevada, que, espero, não permitirá que vários “cabeças-quentes” pressionem o botão vermelho.

Baal HaSulam, Os Escritos Da Última Geração: “O único conselho para evitar isso é que todas as nações adotem o regime de “perfeito” comunismo, ou seja altruísta. Escusado será dizer que, hoje, após a descoberta e uso de bombas atômicas, e a descoberta de bombas de hidrogênio, já não é duvidoso que depois de uma, duas ou três guerras, toda a civilização humana será totalmente arruinada, sem deixar relíquias.

”É difícil assustar-nos com isso hoje. As pessoas estão acostumadas a esta idéia e vivem com o entendimento de que amanhã podem não estar mais aqui.

Comentário: Os psicólogos consideram a pessoa um ser irracional, incapaz de ser afetado por argumentos lógicos. Mas aqui, Baal HaSulam usa o exemplo da guerra como um argumento para as pessoas.

Resposta: O que é conhecido pelos psicólogos é de pouco interesse para nós. Seu conhecimento não tem efeito sobre o mundo. Nós, no entanto, as pessoas que se deslocam em direção à revelação do Criador, podem fazer muito e podem inclinar o mundo para um lado positivo.

Pergunta: Baal HaSulam menciona essas guerras como evidências ou esta prova tem um significado mais profundo?

Resposta: A pessoa tem os meios para acabar com sua vida na Terra. No entanto, ela não leva em conta o efeito da governança superior, como suas diretrizes são manifestadas dentro dela. A noção de que podemos destruir a nós mesmos é um fato. No entanto, a humanidade está acostumada a isto. E não percebe em direção a que ela está se movendo.

 

 

Dr. Laitman recebeu seu PhD em Filosofia e Cabala do Instituto de Filosofia de Moscou, da Academia de Ciências da Russia e seu Mestrado em Cibernética na Medicina da Universidade Politécnica Estadual de São Petersburgo, Faculdade de Cibernética na Medicina e Biologia. Além de ser um cientista e pesquisador, Dr. Laitman tem se dedicado à Cabala nos últimos trinta anos. Publicou 30 livros sobre a Cabala e inúmeras publicações sobre Cabala e Ciência.

Dr. Laitman foi discípulo e assistente pessoal do Rabbi Baruch Ashlag, filho do Rabbi Yehuda Ashlag, autor do renomado Sulam (escada), Comentários sobre o ZOHAR. Dr. Laitman segue os passos da missão de seu mentor, promovendo a disseminação da sabedoria da Cabala em todo o mundo. Os métodos científicos de Laitman, fornecem aos indivíduos de todas as crenças, religiões e culturas, as adequadas ferramentas necessárias para seguirem um inspirado caminho de auto-descoberta e elevação espiritual, concentrado primáriamente nos processos internos que os indivíduos experimentam em seu próprio ritmo.

Em 1991, depois da partida de seu mentor, fundou o Instituto de Educação e Pesquisa da Cabala – Bnei Baruch. Bnei Baruch é uma organização sem fins lucrativos, que recebe pessoas de todas as idades e estilos de vida, para se dedicarem ao processo recompensador de estudar a Cabala. A organização não cobra nenhuma taxa para as suas diversas atividades.

BAAL HASULAM

Rabbi Yeshuda Ashlag

Rabbi Yehuda Leib HaLevi Ashlag (1884-1954) é conhecido como Baal HaSulam pelo seus comentários – Sulam(escada) – sobre o Livro do Zohar. Baal HaSulam dedicou sua vida às interpretações e inovações da sabedoria da Cabala, disseminando-a por Israel e por todo o mundo. Desenvolveu um método especial para o estudo da Cabala, pelo qual, qualquer pessoa pode se aprofundar na amplitude da realidade e conhecer suas raízes e o propósito de sua existência.

Baal HaSulam nasceu em Varsóvia, Polonia em setembro de 1884. Com a idade de 19 anos foi ordenado rabino pelos maiores rabinos de Varsóvia e serviu durante 16 anos como um Dayan (Juiz Ortodoxo Judeu) e como professor em Varsóvia.

O Mestre de Baal HaSulam foi o Rabbi Yehoshua de Porsov. Em 1921, Baal HaSulam emigrou para Israel e se estabeleceu na Velha Cidade de Jerusalem. A notícia da sua chegada logo se espalhou entre os judeus imigrados da Polonia e ele logo ficou conhecido como uma autoridade em Cabala. Gradualmente, um grupo de estudantes se reuniu em seu entorno, assistindo aulas de cabala logo no início das manhãs. Posteriormente, Baal HaSulam se mudou para Givat Shaul, um novo bairro de Jerusalem, aonde, por muitos anos, serviu como o rabino da comunidade.

Baal HaSulam passou os anos de 1926-1928 em Londres. Durante esta estadia em Londres escreveu o comentário sobre A Árvore da Vida – Panim Meirot uMasbirot do Ari, a qual publicou em 1927. Durante sua estadia em Londres, manteve extensivo contacto por meio de correspondências com seus estudantes de Israel, as quais foram reunidas em 1985 em um livro intitulado Igrot Kodesh (Cartas de Santidade).

Em 1933 Baal HaSulam publicou os tratados Matam Torah (A Doação da Torá), HaArvut (A Ligação) e HaShalom (A Paz).

As duas maiores obras de Baal HaSulam, resultado de anos de trabalho, são o Talmud Esser Sefirot (O Estudo dos Dez Sefirot), um comentário sobre os escritos do Ari, e Persuh HaSulam (O comentário Sulam) sobre o Livro do Zohar. As publicações das 16 partes (em seis volumes) do Talmud Esser Sefirot começaram em 1937. Em 1940 ele publicou Beit Shaar HaKavanot (O Portal das Intenções), com comentários sobre escritos selecionados do Ari. Persuh HaSulam do Zohar foi impresso em 18 volumes, no período de 1945-1953. Mais tarde Baal HaSulam imprimiu mais 3 volumes adicionais contendo comentários sobre O Novo Zohar, cuja publicação foi completada em 1955, depois de sua partida.

Em sua Introdução ao Livro do Zohar, Baal HaSulam escreveu o seguinte (item 58): E eu nomeei esse comentário O Sulam (escada), para mostrar que o seu propósito é, assim como o de qualquer escada, caso você tenha um alçapão cheio de bens, tudo o que você precisa para alcançá-lo é apenas uma escada e então toda a riqueza do mundo estará em suas mãos.

Postagem anterior

Crítica/Sobre o espetáculo 'Anne" - O Diário de Anne Frank no Teatro FAAP - São Paulo/ Por Jaqueline Bastos/

Próxima Postagem

Black Friday e o consumo consciente/ Marília Vezzá/ Blog do Gilson Filho/

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *