Home»Sem categoria»Maitê Proença repete Tônia Carrero e dá grande salto reinventando-se como atriz de Alto Teatro / Com JB /

Maitê Proença repete Tônia Carrero e dá grande salto reinventando-se como atriz de Alto Teatro / Com JB /

2
Ações
Pinterest Google+

Como se fosse uma predestinação, Maitê Proença, a mais bela de sua geração de atrizes, repete a história de Tônia Carrero, a mais bela em seu tempo de juventude, e também de meia idade, na cena brasileira.

Despedida da Rede Globo (o que faz questão de enfatizar, a cada ocasião que tem), Maitê decidiu se reinventar como atriz, começar do zero, entregando-se a um diretor que lhe arrancasse a alma e os sentimentos, descaracterizando-a da cosmética, que costuma encobrir e até mascarar a anima do intérprete, após tantas décadas de gravações de novela.

Maitê, a Mulher de Bath e mulher de Amir Haddad, juntas formam grande parceria
Maitê, a Mulher de Bath e mulher de Amir Haddad, juntas formam grande parceria

Tônia fez o mesmo. Após 20 anos de comédias ligeiras e vaudevilles glamourosos, que criaram a falsa ideia de que seria apenas uma atriz bonita, ela se entregou nas mãos do diretor Fauzi Arap e interpretou a prostituta Neusa Sueli, na peça de Plínio Marcos, “Navalha na carne”. Isso a entronizou no primeiro time de nossas grandes intérpretes. Tônia foi carne viva, esparramando no palco drama, sofrimento e sinceridade, decadência ao mais baixo extrato das possibilidades, esquecendo-se de sua beleza. As plateias iam ao delírio, ao vê-la assim descomposta e tão belamente atriz. O espetáculo era de tal forma intenso que acabou proibido pela censura e só foi liberado 13 anos depois.

De São Paulo me chegam os ecos do desempenho de Maitê. Ouço que, liberta da televisão, ela deu um salto na carreira, vivendo “A mulher de Bath”, um dos “Contos da Cantuária”, de Geoffrey Chaucer, autor cem anos precursor de Shakespeare.

Trata-se de um monólogo, que ela levou um ano para conseguir encarar, tamanhas as minúcias e peculiaridades do tema, abordando as fragilidades e fortalezas da mulher. Amir Haddad fez um trabalho paciente, carinhoso e fi rme com a atriz, que agora nada de braçada no texto, com andamento de cordel, lotando o Teatro do Sesc Bom Retiro, como um dos highligts desta temporada.

Com Hildegard Angel / JB

Postagem anterior

Pelas Esquinas / O que andam falando e escrevendo por aí... / Blog do Gilson Filho

Próxima Postagem

Contra a depressão: menos medicamentos, mais espiritualidade e exercícios, diz psiquiatra / Com 'O Segredo'/

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *