Home»MISERERE NOBIS»Que água tomamos? Pura ou com agrotóxico? Iolanda Toshie Ide – Carta Campinas no Blog do Gilson Filho

Que água tomamos? Pura ou com agrotóxico? Iolanda Toshie Ide – Carta Campinas no Blog do Gilson Filho

2
Ações
Pinterest Google+

/By Carta Campinas / in Ideias e ProsasMancheteMeio ambiente / on segunda-feira, 26 mar 2018 10:58 AM / 0 Comment/

 

A ingestão de água pura é desejo universal. No entanto, medidas para garantir nem sempre são cumpridas, pelo contrário, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) reduziu impostos para importação de agrotóxicos e, para alguns, permitiu a isenção. Agronegócio e mineração se utilizam de grande quantidade de água, contaminam rios e negam acesso à população desse recurso indispensável à vida

O empenho de alguns órgãos de saúde, a mobilização popular e de entidades de defesa do meio ambiente, lograram normas sanitárias importantes. No entanto, em 2016, levantamento de pesquisadores revelou quadro nada animador. O esgoto não tratado ainda é muito comum (presença de cafeína), mas o pior é que foi detectada a presença do herbicida atrazina em 75% das amostras coletadas: “a atrazina pode ser um disruptor endócrino, interferindo nas funções reprodutiva, neural e de imunidade.”

O Brasil é o maior consumidor de agrotóxico do mundo: 400 mil toneladas ao ano, inclusive 4 que são proibidos na Europa. A médica Raquel Rigoto, professora da Universidade Federal do Ceará, constatou resíduos de agrotóxicos em amostras de leite materno e em fontes de água a 100 metros de profundidade.

Segundo dossiê da ABRASCO (Associação Brasileira de Saúde Coletiva), 64% dos alimentos produzidos exibem contaminação por agrotóxico. O PL 3200/2015, do Deputado Federal Luis Antonio Franciscatto Covatti (PP-RS), e que é repudiado até pelo Ministério Público Federal, substitui a nomenclatura agrotóxico por “fitossanitário. Além disso, acoplou mais 17 projetos que permitem o uso de agrotóxicos.

Nívia Regina, da direção do MST, denuncia: o pacote do veneno “permite a venda de agrotóxicos sem receita agronômica, em casos excepcionais a serem definidos na regulamentação da lei, altera o procedimento para registro de agrotóxicos equivalentes e genéricos, deixa de exigir estudos toxicológicos, agronômicos e ambientais.”

Legislação vigente determina que fornecedores de água, privados ou não, devem testar a presença de 27 agrotóxicos, a cada seis meses. No entanto, 67% dos municípios não envia nenhuma informação à União, apenas 18% dos municípios enviam relatórios completos. 15% revelam presença, acima do limite, de algum desses agrotóxicos.

Sabe-se que as águas da chuva, penetram na terra, podem levar agrotóxicos para os rios e fontes de água, o que explica a presença de resíduos tóxicos em aquíferos. Não sem razão, como parte do Dia Internacional de Luta das Mulheres, centenas delas se manifestaram pelo direito à água sadia denunciando manobras de defensores do uso de agrotóxicos. Alertaram para a aprovação, no dia 10 de janeiro de 2017, pelo Ministro da Agricultura (Mapa), do ilegítimo desgoverno golpista, o ruralista Blairo Maggi, do registro de 277 novos agrotóxicos, sendo 161 deles, chamados ‘genéricos’.
Água é um direito, mas que água tomamos?

Postagem anterior

Que tempos de retrocesso vivemos! Até o chicote voltou à baila / Edison Brito no Blog do Gilson Filho /

Próxima Postagem

Servidores pedem prisão do prefeito Nogueira / Com Tribuna Ribeirão / Blog do Gilson Filho

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

COMPARTILHAR

Que água tomamos? Pura ou com agrotóxico? Iolanda Toshie Ide – Carta Campinas no Blog do Gilson Filho