Home»COLUNISTAS»Coluna do Gilson / A repercussão da Vaza Jato em Ribeirão Preto / Jornalistas, Artistas, Políticos opinam agora no Blog do Gilson Filho /

Coluna do Gilson / A repercussão da Vaza Jato em Ribeirão Preto / Jornalistas, Artistas, Políticos opinam agora no Blog do Gilson Filho /

7
Ações
Pinterest Google+

A polarização está de volta. O clima que dividiu o país nas eleições do ano passado, emerge com a ‘nitroglicerina pura’ bombardeada pelo Intercept de Glenn Greewald. . O fato é que o  martírio de Sergio Moro e Delagnoll está apenas começando. As opiniões publicadas abaixo marcam linhas divisórias. Confira:

“Politizou uma investigação, quebrou o decoro de um juiz, e mais, arranhou toda a credibilidade que havia construído com o País” (Linconl Fernandes – Presidente Câmara Municipal de Ribeirão Preto)

“Acredito que no Brasil os valores estão invertidos. Um site internacional que ‘hackeia’ autoridades do Poder Judiciário Nacional não pode ter credibilidade a se sustentar denúncias contra a operação que mais resultados produziu em nosso sistema judiciário. Excessos hão que ser coibidos, mas nosso sistema judiciário permite que instâncias superiores façam essa análise. Então me parece absurdo dar credibilidade a um cidadão desse”. (Renato Zucoloto – Professor de Direito e Vereador Ribeirão Preto)

“No caso dos grampeamentos de celulares do comando da Lava Jato, estou plenamente de acordo com a posição tomada e anunciada do deputado Paulo Paim, ou seja, não tirar conclusões antes do término das investigações, e então os envolvidos deverão ser julgados – como quaisquer outros cidadãos.” (Amilton Monteiro Professor Doutor ECA USP)

“O inquisitor acendeu com a sentença dada. A parcialidade do jurista é clara; de como tratou o processo, a tentativa de diminuir a candidatura de Fernando Haddad, chegando a aceitar o convite como ministro reacionário. O que vem agora? Uma vaga no Supremo? A Thêmis de Moro tem visão biônica e a balança regulada conforme os seus interesses, cega só parte da população brasileira atualmente.” (Pedro Leão – Jornalista/ Ator)

“O então Juiz Sergio Moro,  agora Ministro da Justiça está sofrendo as consequências de tudo que fez pelo país. e sabia que isso iria acontecer. Ao meu ver, está preparado.  Ele é  vítima  de uma grande conspiração criminosa, orquestrada pelo PT e antigos políticos que tem o rabo preso e por isso, querem de qualquer jeito derrubá-lo, calá-lo. Ainda há ainda muita coisa para vir à tona, a público e precisam de algum jeito manchar a honra  do homem que tem nas mãos ainda muitas falcatruas  cometidas nas entranhas do Poder  ao longo de décadas.”(Helio Almeida – Jornalista)

“Acho que a Interceptor não tem o direito de invadir a privacidade de alguém. Mesmo que seja um telefone corporativo, que não precisa solicitar quebra de sigilo para entrar, isso é problema da Polícia Federal e não de um blog ou hacker. Por outro lado, não vejo absolutamente nada de errado na conversa ou atitude de Moro com Dallagnol. Nada contra a lei ou anti-ético, Simplesmente investigando bandidos.” (Bi Rodrigues – Publicitário)

“A pena fere mais que a espada quando a espada derrubava reis. Hoje, a imprensa continua derrubando governantes, mas pela divulgação de informações e boas fontes. Contudo devemos saber usá-las, pois ‘Pau que bate em Chico (não deveria) bater em Francisco.” (Marina Rossini – Jornalista).

“Como diz Caetano:  ‘De perto ninguém  é normal’. Precisa ser feita uma apuração apartidária e oficial para apurar as denúncias, muito sérias. Problemas éticos, profissionais e criminais. Estranho esse vazamento a conta-gotas, sugerindo que existe alguém ou alguma corporação interessada muito mais em bagunçar a estabilidade do país do que apurar irregularidades. Hora do país retomar seu rumo, longe dos extremos e dos confrontos emocionais.” (Rubens Zaidan – Jornalista).

“Aprendi a não bater de frente com quem entende só o que lhe convém. Mas como negar que Moro feriu a Constituição Brasileira, o Código Penal e o Código de Ética da Magistratura. Isto é o suficiente para que seja preso precavendo-se destruição de provas. Todo processo foi uma covardia, vejam, a Juiza penhorou o triplex para pagar a divida da OAS e Lula foi condenado por ser dono do imóvel. Como assim? Outro crime: Justiça autoriza o verdadeiro dono vender o sítio pelo qual Lula foi condenado por ser o dono. Ora, deixem de churumelas e chicanas. Moro na cadeia, já!” (Sergio Luiz Cristhofaro – Advogado)

“Para mim a atuação do ex-(que nunca foi coisa que prestasse)juiz mostrou a capacidade de articulação de grupos corporativos dentro do sistema judicial brasileiro em influenciar diretamente a política brasileira, ao arrepio da lei e da normalidade institucional. O crime de conluio entre o Sérgio Moro juiz e os procuradores da Lava-Jato ficou muito bem demonstrado já nas revelações do The Intercept. Para eles era necessário ferir de morte o sistema político instituído, mesmo que para isso fosse necessário o uso de instrumentos ilegais, como grampos e intimidações, prisões ilegalmente prolongadas para forçar delações “premiadas”, “vazamentos” seletivos de acordo com o momento político que lhes interessava, criação de denúncias fantasiosas para forçar depoimentos e detenções arbitrárias e um relacionamento indecoroso com uma parte da imprensa (que um dia vai ter que se explicar para o povo brasileiro).Com o cenário econômico em declínio no mundo e no Brasil criou-se o ambiente ideal para o golpe de Temer, mas esse não era o objetivo principal da “República de Curitiba”, o alvo, o prêmio maior, a “mega” acumulada para Moro e sua turma era, sem dúvida alguma, colocar na cadeia o simbolo maior de um Brasil pobre e submisso que tivera a coragem de erguer a cabeça e de enfrentar os “sinhôs” que mandavam no país: Lula. Só se esqueceram de combinar com ele… E quando viram que o tempo passava, a agenda que tinham se proposto se esgotava, trataram de falsificar primeiro o foro correto de julgamento no caso do triplex, tirando a fórceps da Justiça paulista e levando o caso para Curitiba. Sem provas, inventaram, forçaram, fantasiaram a tal sentença que é um esbulho que vai ficar nos anais da justiça brasileira como a pior sentença condenatória já dada por um juiz brasileiro. Agora sobrou para esses senhores da falácia, da intriga, da mentira forjada. Vão ter que engolir as reportagens do The Intercept. Boas noites sem sono para o senhor, ex-(que nunca foi coisa que prestasse como)juiz e coleguinhas de falsidades. Como dizem lá em Barretos, pimenta no fiofó dos outros é refresco…

(Luiz Paulo Tupinambá – Editor TV – Multimídia – Diretor Comunicação Cine Clube Cauim)

 

Rio de Janeiro

Obrigada, Glenn Greenwald, por fazer jornalismo.

Como sabia que Greenwald morava no Rio desde 2005, em meados de 2013, junto com meu amigo (hoje sem face) Juliano Borges, mandei um email para Glenn, pedindo uma entrevista para o nosso site O Canibal (de curta vida e infelizmente fora do ar). Glenn, que já escrevia naquela altura para o The Guardian, topou e conversou conosco por algumas horas sobre política americana e brasileira, mais especificamente sobre os governos Obama e Dilma, e sobre os rumos do jornalismo.

O encontro aconteceu em meio à apuração do caso Snowden-NSA, que só viria à tona ao longo dos meses seguintes, rendendo a Greenwald o prêmio Pulitzer. A entrevista só fez crescer minha admiração por sua capacidade de análise, independência e coragem.

Em junho de 2016, em pleno processo de golpe contra Dilma Rousseff, Leneide Duarte-Plon e eu o entrevistamos para a Carta Capital sobre o conturbado cenário político brasileiro e a Lava Jato. Ele explicava que, diante do escracho do famoso áudio do Jucá, simplesmente não era mais possível pra ele ficar calado sobre a política brasileira.

A primeira entrevista não está mais on line, vou recuperá-la num hd externo e posto aqui depois. A segunda, estranhamente, sumiu do site da Carta Capital, mas localizei uma reprodução, que posto nos comentários.

Obrigada, Glenn Greenwald, por fazer jornalismo. * Clarisse Meireles  é Jornalista e tradutora. É coautora, com Leneide Duarte-Plon, do livro “Um homem torturado, nos passos de frei Tito de Alencar” (Civilização Brasileira).

De Brasília

Confrade desde os bons tempos do Diário de Notícias, radicado em Brasília há 34 anos e, na cobertura diária da Câmara e Senado, diz pelo telefone que nunca presenciou, em toda sua carreira, “um Congresso Nacional tão tosco e abominável como o atual”.

Última Hora

Ratinho terá que pagar R$ 200 mil a padres de Astorga por ‘fake news’


O Apresentador Ratinho (Carlos Massa) e o SBT terão de indenizar dois padres da cidade de Astorga, região norte central do Paraná, por danos morais por uma reportagem veiculada em 1999. A informação é do Blog do Esmael.

A matéria falava que uma moradora da cidade havia deixado o marido para viver com o padre que celebrou seu casamento, mas a notícia era falsa. Além disso, as imagens mostraram um outro padre da mesma cidade. Os dois, então, processaram o programa.

 A decisão levou em conta “a imprudência dos apelantes ao transmitir ao vivo matéria ofensiva à honra dos apelados, o sofrimento ocasionado às vítimas e a repercussão em cadeia nacional de televisão, em horário nobre”, escreveu o ministro. O caso ficou ainda mais grave por envolver padres acusados de infringir o celibato, informou o documento.

Tanto a emissora quando Ratinho terão de pagar R$ 200 mil (corrigidos) a dois padres da cidade de Astorga, no norte central do Paraná, segundo decisão do Superior Tribunal de Justiça (STJ).


    That’s all, folk …Gilson Filho é jornalista e editor deste Blog MTB 17114/67/15

 

Postagem anterior

Viva, completaria hoje 90 anos / "História de Anne Frank mostra aonde o ódio pode levar" / Blog do Gilson Filho com Deutsche Welle - Berlim /

Próxima Postagem

Desmatamento na Amazônia dispara e futuro da floresta está ameaçado. Entenda os motivos / Com National Geographic Brasil / Blog do Gilson Filho /

Sem comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *